Glossário

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z |
   em  Procurar
Ação
É um título de renda variável, emitido por companhias ou sociedades anônimas, que representa a menor fração do capital da empresa que a emitiu. O investidor em ações é um co-proprietário da sociedade da qual é acionista e participa de seus resultados, podendo converter as ações em dinheiro a qualquer momento, através da negociação no mercado balcão ou na Bolsa de Valores.
Acionista
1) Proprietário de ações de uma companhia; 2) sócio de uma companhia.
Ações Ordinárias (ON)
São aquelas que dão direito de voto ao acionista, algo que não ocorre no caso das preferenciais (PN). É importante ressaltar que, apesar de ser um acionista com direito a voto, o possuidor de ações ordinárias não é responsável pelas dívidas da empresa (algo que normalmente ocorre em empresas de capital fechado). Além das duas categorias básicas, ON e PN, as empresas podem emitir outras classes de ações. Se você analisar com cuidado as ações listadas na Bovespa, encontrará não somente as classes ON e PN.
Ações Preferenciais (PN)
São assim chamadas porque dão preferência ao acionista com PN no pagamento de dividendos e também em caso de liquidação da empresa em relação às ordinárias (ON). Isto significa que, no caso de falência ou evento que leve a empresa a ser liquidada, os possuidores de ações preferenciais têm maiores chances de recuperar parte dos seus investimentos do que os possuidores de ações ordinárias. Dentro das PN podem existir PNA, PNB, PNC etc. Isto ocorre porque além da distinção básica entre ON e PN, as empresas podem diferenciar as ações em classes de acordo com critérios de distribuição de dividendos, restrição quanto à posse de ações etc.
ADR
American Depositary Receipt Recibo de ações de companhia não sediada nos Estados Unidos, emitido por um banco e custodiado em banco norte-americano.
AMEC
Associação dos Investidores no Mercado de Capitais Entidade com objetivo de ser um espaço de articulação, discussão e viabilização de iniciativas visando a defender os interesses dos investidores minoritários, em especial cotistas de fundos de ações e fundos multimercado, em suas relações com as companhias abertas brasileiras.
American Depositary Receipt (ADR)
Recibo de ações de companhia não sediada nos Estados Unidos, emitido por um banco e custodiado em banco norte-americano. Instrumento de negociação criado para que emitentes de títulos cotados em outros países atendessem às normas e regulamentos norte-americanos de registro de títulos, e facilitar o recebimento de dividendos por parte de investidores dos Estados Unidos. É sepre negociado nos mercados organizados dos Estados Unidos.
Análise Fundamentalista
Análise de mercado baseada nos fatores econômicos, dependendo das estatísticas, projeções, condições de oferta e demanda de bens e serviços e os fundamentos da economia e das empresas. Metodologia para determinar o preço justo de uma ação, que se fundamenta na expectativas de lucros futuros.
Análise Técnica
Análise de Mercado baseada na interpretação de gráficos de preços, volumes e outros indicadores. metodologia para estudar o movimento dos preços das ações, relacionados aos volumes negociados, para determinar tendências de alta, estabilidade ou de baixa, em busca da oportunidade de comprar e vender ações a preços compensadores.
APIMEC
Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais. Entidade nacional que congrega outras instituições, as regionais, e que concentra suas atividades na certificação dos profissionais, representação política institucional frente ao governo e entidades representativas congêneres do mercado, no intercâmbio internacional com outras confederações de profissionais.
Assembléia
Reunião de pessoas especialmente convocadas por determinação legal, regulamentar ou estatutária, para resolver assuntos submetidos à sua deliberação.
Assinante móvel
Cliente de operadora de telefonia celular.
Associação Nacional dos Bancos de Investimento
Principal representante das instituições financeiras que operam no mercado de capitais brasileiro, tem por objetivo buscar seu fortalecimento como instrumento fomentador do desenvolvimento do país. A ANBID, além de representar os interesses de seus associados, auto regula suas atividades com a adoção de normas geralmente mais rígidas do que as impostas pela legislação. A ANBID também é a principal provedora de informações do mercado de capitais do país e promove ainda amplas iniciativas voltadas para a educação dos investidores e dos profissionais deste mercado. Seus associados são bancos de investimento, bancos múltiplos com carteiras de investimento, que atuam na gestão e administração de fundos de investimento, ofertas públicas de valores mobiliários, fusões e aquisições, private banking, custódia, entre outros serviços prioritários relacionados ao mercado de capitais, empresas de asset management, e de consultoria financeira.
Ativo
Bens, direitos, créditos e valores pertencentes a uma pessoa ou empresa.
Abono Anual
13ª (décima terceira) parcela anual do benefício pago em forma de renda mensal a assistido do Plano de Benefícios.
ABRAPP
Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.
Adesão de Instituidor
Ver “Convênio de Adesão”.
Adesão de Participante
Ato pelo qual o empregado de um patrocinador ou o associado de um instituidor inscreve-se no Plano de Benefícios administrado por uma EFPC.
Adesão de Patrocinador
Ver “Convênio de Adesão”.
Administrador Especial
Pessoa nomeada pelo órgão regulador e fiscalizador das EFPCs, nos termos da lei, com poderes próprios de intervenção e de liquidação extrajudicial, objetivando o saneamento de Plano de Benefícios administrado pela
ANAPAR
Associação Nacional dos Participantes de Fundos de Pensão.
ANCEP
Associação Nacional dos Contabilistas das Entidades de Previdência.
Anti-Seleção de Riscos
Ver “Fundo de Cobertura da Anti-Seleção de Riscos”.
Aporte Inicial
Ver “Jóia”.
Aposentadoria
Benefício concedido ao segurado por regime de previdência social e/ou pela previdência complementar, decorrente do cumprimento de exigências regulamentares.
Assistido
Participante de Plano de Benefícios, ou seu beneficiário, em gozo de benefício de prestação continuada.
Ativo da Entidade
Somatório de todos os bens e direitos acumulados pela EFPC, considerando todos os Planos de Benefícios que ela administra.
Ativo do Plano
Somatório de todos os bens e direitos do Plano de Benefícios.
Ativo Justo (definição aplicável apenas na Deliberação CVM 371)
Valor pelo qual um ativo pode ser negociado ou um passivo liquidado entre as partes interessadas, em condições ideais e com a ausência de fatores que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem uma transação.
Ativo Líquido a Integralizar
Ver “Reserva a Amortizar”.
Ativo Líquido do Plano
Ver “Recursos Garantidores”.
Ativo Permanente
Parcela do Ativo da Entidade que representa os bens e direitos destinados à manutenção da EFPC, bem como as aplicações de recursos em despesas administrativas que contribuirão para a formação de resultado de mais de um exercício social.
Ativo Total
Ver “Ativo da Entidade”.
Atuária
Ver “Ciências Atuariais”.
Atuário
Pessoa graduada em Ciências Atuariais, registrada no IBA, responsável por lei, a quem compete privativamente a elaboração dos planos técnicos, avaliando riscos, fixando prêmios, contribuições e indenizações, e a avaliação das reservas matemáticas das empresas privadas de seguros, capitalização, entidades de previdência social ou complementar. No mercado econômicofinanceiro, promove pesquisas e estabelece planos e políticas de investimentos e amortizações.
Auditores Independentes
Ver “Auditoria Independente”.
Auditoria Atuarial
Exame nos aspectos atuariais dos Planos de Benefícios das EFPCs, realizado em caráter obrigatório a cada 5 (cinco) anos por atuário ou empresa de consultoria atuarial registrados no IBA, com o objetivo de verificar e avaliar a coerência e a consistência do cadastro de participantes, das hipóteses biométricas, demográficas e financeiras, do regime de financiamento das reservas necessárias à cobertura dos benefícios e do perfil do financiamento do plano, com vistas à capitalização deste através de contribuições normais e extraordinárias, visando à preservação do nível de solvência do Plano de Benefícios.
Auditoria de Benefícios
Auditoria externa do Plano de Benefícios, realizada em caráter obrigatório a cada 5 (cinco) anos por profissional ou por empresa qualificados, compreendendo a análise do cadastro dos participantes, o aporte de contribuições, a concessão e a manutenção de benefícios, em face do disposto na legislação aplicável, assim como nos respectivos Regulamento e Plano de Custeio.
Auditoria Independente
Exame analítico da escrituração contábil do Plano de Benefícios, realizado de forma independente por profissional ou empresa qualificados, sem qualquer vínculo permanente com a EFPC.
Autofinanciado
Ver “Autopatrocinado”.
Automantenedor
Ver “Autopatrocinado”.
Autopatrocinado
Participante que, após sofrer perda parcial ou total de remuneração no patrocinador, opte por manter sua contribuição anterior, assumindo adicionalmente a contribuição do patrocinador relativa à parcela reduzida, de modo a permitir a percepção futura de benefício nos níveis anteriormente praticados, observado o Regulamento do Plano de Benefícios.
Autopatrocínio
Instituto que faculta, ao participante que sofrer perda parcial ou total de remuneração, a manutenção da sua contribuição anterior e a assunção da contribuição do patrocinador em relação à parcela reduzida, de modo a permitir a percepção futura de benefício nos níveis anteriormente praticados, observado o Regulamento do Plano de Benefícios.
Avaliação Atuarial
Estudo realizado periodicamente, apoiado em levantamento de dados estatísticos da população estudada e em bases técnicas atuariais, por meio do qual o atuário avalia o valor dos compromissos e o valor dos recursos necessários à garantia da solvência e equilíbrio do Plano de Benefícios.